Dólar aproxima-se de R$ 5,30 com tensões no Reino Unido

Uma série de fatores internacionais, principalmente no Reino Unido, tumultuou o mercado financeiro na véspera do feriado de 12 de outubro. O dólar teve forte alta e aproximou-se de R$ 5,30. A bolsa de valores teve a terceira queda consecutiva e fechou abaixo dos 115 mil pontos.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (11) vendido a R$ 5,272, com alta de R$ 0,082 (+1,57%). A cotação operou durante quase todo o dia ao redor de R$ 5,20, mas acelerou depois que o presidente o Banco Central britânico, Andrew Bailey, informar que pretende encerrar o programa de compra de títulos públicos no Reino Unido nesta sexta-feira (14).

A declaração também pesou no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 114.827 pontos, com queda de 0,96%. Durante a tarde, o indicador tinha se recuperado, e operava em leve baixa, mas despencou após o anúncio do Banco Central britânico.

O encerramento dos estímulos monetários no Reino Unido provocou um estresse no mercado financeiro global. A indicação de que a autoridade monetária britânica pretende endurecer o combate à inflação trouxe o temor de que fundos de pensão não consigam honrar os compromissos e provoquem um efeito cascata em fundos de outros países desenvolvidos.

O receio de uma turbulência global no mercado financeiro reforçou as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) mantenha os juros altos por mais tempo. Juros mais altos em economias avançadas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil.

Paralelamente, o acirramento das tensões no leste europeu pesou no mercado financeiro, com a Rússia voltando a bombardear várias cidades ucranianas. Os ataques ocorreram em retaliação à destruição parcial de uma ponte na Crimeia no último fim de semana.

As cotações do barril de petróleo voltaram a cair, pelo temor de uma recessão global. Hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as previsões e divulgou que um terço dos países deverão entrar em recessão em 2023, com destaque para Alemanha, Itália e Rússia. Segundo o FMI, Estados Unidos, União Europeia e China deverão enfrentar estagnação no próximo ano.

* com informações da Reuters

Source link

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *